Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

 Com seis votos a favor e dois contra, o STF já enviou à Câmara a denúncia de Janot contra Temer, por obstrução de justiça e organização criminosa

Fim das coligações só em 2020

Uma das medidas mais esperadas da reforma política ficou para 2020. Os deputados aprovaram nesta quarta-feira o fim das coligações para as eleições de deputados e vereadores, mas a nova regra não será aplicada na disputar do ano que vem.

Cabral condenado a 45 anos

O juiz Marcelo Bretas, da 7a Vara Federal Criminal, responsável pela operação Lava-Jato no Rio de Janeiro, condenou nesta quarta-feira o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) a 45 anos e dois meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e perecimento a organização criminosa.

Com ele, foram condenadas outras 11 pessoas, entre elas a ex-primeira dama Adriana Ancelmo, pelos crimes de lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa — somadas, as penas de prisão dela superam 28 anos.

STF envia denúncia à Câmara

Com seis votos a favor e dois contra, o Supremo Tribunal Federal já formou maioria para aprovar o envio à Câmara dos Deputados da denúncia do ex-procurador geral da República Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer (PMDB) por obstrução de justiça e organização criminosa.

A sessão foi suspensa pela ministra Cármen Lúcia quando ainda faltavam três ministros para votar — ela, Celso de Mello e Marco Aurélio Mello.

Além do relator, Edson Fachin, negaram o pedido de Temer de suspensão da tramitação da denúncia os ministros Alexandre de Moraes, Luis Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Ricardo Lewandowski. Os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes divergiram.

Temer diz não se preocupar com denúncia

O presidente Michel Temer (PMDB) afirmou nesta quarta-feira que as acusações de corrupção que recaem sobre ele precisam ser apuradas, mas que não tem preocupação com isso.

Denunciado duas vezes pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça, o peemedebista tornou-se o primeiro a ser processado no exercício da Presidência da República.

A declaração foi dada em evento na sede da agência de notícias Reuters, em Nova York. Segundo o presidente, a corrupção está sendo combatida no Brasil e as instituições estão funcionando normalmente, tanto que, quando há acusações, elas são apuradas. “Até no meu caso”, afirmou.

Fed reduz estímulos

O Fed, banco central dos Estados Unidos, anunciou nesta quarta-feira que deve dar início em outubro à redução de sua carteira de títulos. O portfólio do Fed, avaliado em 4,5 trilhões de dólares, foi ampliado após a crise de 2008 para injetar dinheiro na economia americana e há meses o banco anunciava que se desfaria de alguns papéis.

O órgão também decidiu manter a taxa de juro do país entre 1% e 1,25% ao ano nesta reunião, mas disse que segue monitorando sinais de recuperação da economia para definir o rumo das taxas de juro. É esperada mais uma elevação ainda neste ano.

Alpargatas vendida

A fabricante de calçados Alpargatas anunciou a conclusão da venda de seu controle acionário para a Itaúsa e a Cambuhy Investimentos, no valor de 3,5 bilhões de reais. O negócio entre as empresas foi anunciado em 12 de julho, como parte do projeto de alienação de ativos do grupo J&F, controlado pela família Batista.

A venda é relativa a 54,2% do capital total da Alpargatas, sendo 85,78% do capital votante e 20,95% das ações preferenciais. Os irmãos Wesley e Joesley Batista precisaram vender parte dos ativos do grupo J&F para arcar com multas de 10,3 bilhões de reais, cobradas em acordo de leniência firmado entre o grupo e o Ministério Público Federal após o escândalo de corrupção envolvendo a J&F e o governo federal.

Arrecadação reage

A arrecadação federal de impostos, contribuições e outras receitas chegou a 104,2 bilhões de reais em agosto, segundo informou nesta quarta-feira a Receita Federal.

Na comparação com o resultado da arrecadação de agosto do ano passado, houve um aumento real, ou seja, após descontada a inflação, que foi de 10,78%, de acordo com dados oficiais.

É o melhor resultado para as contas desde agosto de 2015, quando o governo federal arrecadou 104,6 bilhões de reais. Este é também o maior aumento comparativo de 2017.

México em luto após terremoto

Enrique Peña Nieto, presidente do México, declarou luto de três dias no país após o terremoto que matou mais de 225 pessoas. Um dia depois do fenômeno de magnitude 7.1 — o mais poderoso no país desde 1932 —, as autoridades locais fazem a contagem dos danos e tentam resgatar as pessoas desaparecidas entre os escombros.

Centenas de edifícios desabaram com o terremoto, incluindo uma escola, onde morreram 21 crianças. Reforços do Panamá, de Israel e do Chile chegaram ao país, nesta manhã, para auxiliar no resgate de sobreviventes.

Ao redor dos escombros, placas pedindo silêncio para encontrar vítimas misturam-se com folhas contendo os nomes de pessoas já resgatadas e dos hospitais para onde foram levadas.

Furacão Maria deixa Porto Rico sem luz

Porto Rico está completamente sem energia. Segundo um porta-voz do governo, o país está “100% sem energia elétrica” por causa da passagem do furacão Maria. O furacão chegou, nesta quarta-feira, ao país caribenho e já devastou parte do território.

Com ventos de quase 250 quilômetros por hora, a passagem do furacão deixou outras ilhas do Caribe devastadas. Sete pessoas morreram em Dominica. As Ilhas Virgens, a República Dominicana e as Bahamas receberam alertas para a possível passagem do furacão.

Japão quer políticas econômicas ousadas

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, propôs, nesta quarta-feira, implementar políticas mais “ousadas” na economia do país. Durante o encontro com investidores na Bolsa de Valores de Nova York, Abe afirmou que as novas ações seriam voltadas para impostos, orçamento e regulamentações na economia, com o intuito de promover o desenvolvimento interno e iniciar as reformas nas governanças corporativas no Japão.

O primeiro-ministro também pediu para os executivos investirem no mercado de private equity do país para “abrir o futuro do Japão”. Ainda nesta quarta-feira o primeiro-ministro vai discursar na Assembleia-Geral da ONU.

Fonte: EXAME Hoje