Desemprego tem 1ª queda desde o fim de 2014; 13,5 milhões não têm trabalho

A taxa de desemprego no Brasil registrou, no segundo trimestre, a primeira queda desde o final de 2014.

O desemprego no país foi de 13%, em média, no trimestre de abril a junho, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No período, o número de desempregados no Brasil foi de 13,5 milhões de pessoas.

O desemprego caiu em relação ao trimestre de janeiro a março, quando a taxa foi de 13,7% e a população desocupada chegou a 14,2 milhões.

Em relação ao primeiro trimestre do ano, são cerca de 690 mil desempregados a menos, queda de de 4,9%. Em um ano, porém, são 1,9 milhão de pessoas a mais sem emprego, um aumento de 16,4%.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), foi a primeira queda estatisticamente significativa na taxa de desemprego desde o último trimestre de 2014.

Comparações

No trimestre de abril a junho de 2017, a taxa de desemprego foi de 13%:

  • no trimestre de janeiro a março, havia sido de 13,7%;
  • no trimestre de março a maio, havia sido de 13,3%;
  • um ano antes (abril a junho de 2016), havia sido de 11,3%.

O número de desempregados chegou a 13,5 milhões:

  • no trimestre de janeiro a março, havia sido de 14,2 milhões;
  • no trimestre de março a maio, havia sido de 13,8 milhões;
  • um ano antes (abril a junho de 2016), havia sido de 11,6 milhões.

 

População empregada

O número de pessoas com trabalho foi de 90,2 milhões entre abril a junho, aumento de 1,4% em relação ao período de janeiro a março, ou 1,3 milhão de pessoas a mais.

Em um ano, o total de trabalhadores caiu 0,6%, o que equivale a cerca de 562 mil pessoas.

 

Rendimento de R$ 2.104

O rendimento real (ajustado pela inflação) do trabalhador ficou, em média, em R$ 2.104. O valor é 1% menor que o do trimestre de janeiro a março (R$ 2.125) e 3% maior comparado com o mesmo período do ano anterior (R$ 2.043). O IBGE considera que houve estabilidade nas duas comparações.

 

Fonte: Folha de São Paulo