Privatização dos Correios está sendo estudada ‘com muito cuidado’, diz Meirelles 

Ministro também afirmou que a possibilidade de IPO também está sendo considerada.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu nesta quinta-feira (21), em Nova York, que existe a possibilidade de privatizar os Correios, mas afirmou que ainda “não há uma decisão tomada”, já que “isso é uma coisa que tem que ser tratada com muito cuidado”.

O ministro também foi questionado por jornalistas sobre a possibilidade de abertura de capital dos Correios como forma de captar recursos no mercado. “Isso é o que está se estudando, as duas hipóteses estão contempladas. O IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) é uma boa alternativa.”

Nesta semana, funcionários dos Correios iniciaram uma greve contra a privatização da estatal, entre outras reivindicações. Em março, o ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, já havia dito que, se a empresa não promovesse o “equilíbrio rapidamente”, “caminharia para um processo de privatização“.

“Como a posição dos Correio em vários aspectos é monopolista, então isso é uma coisa que tem que ser tratada com muito cuidado para ver exatamente essa questão de privatização dos correios”, disse Meirelles nesta quinta.

No entanto, o ministro ressalvou que, “evidentemente, essa questão está cada vez menos relevante na medida que, principalmente no caso de encomendas, cada vez mais existe a presença de empresas provadas, inclusive empresas internacionais, disputando mercado. Portanto, o mercado está cada vez mais competitivo”.

“É inclusive mais uma coisa a se pensar em termos favoráveis a uma privatização, ter um correio mais competitivo”, apontou Meirelles.

‘Movimento geral de privatização’

Ao ser perguntado sobre a possibilidade de privatização da Infraero, o ministro disse que essa também é uma hipótese, e que “o movimento geral de privatização existe”. No entanto, Meirelles reforçou que não há nenhuma decisão tomada sobre a Infraero.

“Isso é uma hipótese mas não estamos ainda em processo decisório, principalmente pela grande quantidade de aeroportos no país que são de cidades pequenas, cidades menores, que são deficitários.”

“É um processo mais complexo, que não está na mesa, não é prioritário no momento. Agora, o movimento geral de privatização existe”.

O ministro reconheceu que a sequência de privatizações ajudaram o caixa do governo, que tenta reequilibrar suas contas, mas apontou que esse alívio seria apenas de “curto prazo”.

Crise nos Correios

Carteiros são a maioria dos grevistas dos Correios (Foto: Rui da Silva/Arquivo Pessoal)

Carteiros são a maioria dos grevistas dos Correios (Foto: Rui da Silva/Arquivo Pessoal)

Os Correios enfrentam uma severa crise econômica e medidas para reduzir gastos e melhorar a lucratividade da estatal estão em pauta.

Nos últimos dois anos, os Correios apresentaram prejuízos que somam, aproximadamente, R$ 4 bilhões. Desse total, 65% correspondem a despesas de pessoal.

Em 2016, os Correios anunciaram um Programa de Demissão Incentivada (PDI) e pretendia atingir a meta de 8 mil servidores, mas apenas 5,5 mil aderiram ao programa.

Os Correios anunciaram em março o fechamento de 250 agências,apenas em municípios com mais de 50 mil habitantes, além de uma série de medidas de redução de custos e de reestruturação da folha de pagamentos.

Em abril, o presidente dos Correios, Guilherme Campos, afirmou que a demissão de servidores concursados vinha sendo estudada. Segundo ele, os Correios não têm condições de continuar arcando com sua atual folha de pagamento e contratou um estudo para calcular quantos servidores teriam que ser demitidos para que o gasto com a folha fosse ajustado.

A estatal alega ainda que o custeio do plano de saúde dos funcionários é responsável pela maior parte do déficit da empresa registrado nos últimos anos. Hoje a estatal arca com 93% dos custos dos planos de saúde e os funcionários, com 7%.

Fonte: Privatização dos Correios está sendo estudada ‘com muito cuidado’, diz Meirelles | Negócios | G1